MAPA empossa conselheiros do Pronasolos

Os integrantes dos comitês Estratégico e Executivo do Programa Nacional de Levantamento e Interpretação de Solos do Brasil (Pronasolos) tomaram posse dia 26 de agosto em uma cerimônia virtual.
Os comitês serão responsáveis pela estratégia e execução do programa, que irá mapear todos os solos existentes em território nacional até 2048. Entre as atribuições dos comitês estão definição de metas, capacitação das equipes, articulação entre os órgãos federais, estados e municípios, realização de pesquisas e monitoramento das etapas de trabalho.
O Comitê Estratégico é formado por representantes dos ministérios da Economia, Minas e Energia, Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Meio Ambiente, Desenvolvimento Regional e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.
Já o Comitê Executivo é composto por membros do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Mapa, da Diretoria de Serviço Geográfico do Comando do Exército do Ministério da Defesa, da Sociedade Brasileira de Ciência do Solo e de organizações estaduais de pesquisa agropecuária.
O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Marcos Montes, participou da cerimônia e ressaltou que a instalação dos comitês é “um marco para o mapeamento e sustentabilidade da agropecuária brasileira”.
O secretário-adjunto de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Mapa e coordenador do Comitê Estratégico, Pedro Neto, destacou que o solo é um dos principais recursos naturais de um país e “conhecê-lo é uma vantagem estratégica, seja para agricultura, mineração, energia, infraestrutura ou defesa”. Segundo Pedro Neto, os últimos levantamentos a campo datam da década de 1980.
O presidente da Embrapa, Celso Moretti, lembrou que após os investimentos em pesquisa e tecnologia para a agricultura tropical, o Brasil deixou de ser um importador de alimentos para se tornar uma potência agrícola. “Esse conhecimento mais aprofundado dos solos brasileiros também irá favorecer a política publicar do Plano ABC, de agricultura de baixa emissão de carbono”, disse.
Segundo a chefe-geral da Embrapa Solos, Petula Ponciano, um dos desafios do programa é a organização de todas as informações disponíveis atualmente sobre solos, que “viabilize a execução dos projetos de levantamento de solos e que as interpretações com as aplicações funcionais do conhecimento de solos cheguem a todos os cidadãos do Brasil e se conecte com o mundo”. A Embrapa Solos irá coordenar o Comitê Executivo. A primeira entrega do Pronasolos ocorrerá em dezembro deste ano, com a implantação da plataforma tecnológica.
A professora Lúcia Anjos (UFRRJ) que, como presidente representa a SBCS no Conselho Executivo, lamentou que as universidades não façam mais parte do Comitê. “Mas elas atuarão através da SBCS. Um programa desta natureza não pode prescindir dos avanços da pesquisa, seja nos métodos a serem usados nos levantamentos de solos, inserindo técnicas como as de mapeamento digital e uso de sensores, ou na interpretação, divulgação e validação de resultados junto aos produtores rurais. Ainda para a presidente da SBCS, o evento é um marco para o presente e o futuro do Brasil, na sua afirmação como país modelo na produção sustentável de alimentos, para o mundo e, acima de tudo, para os brasileiros. “Todos nós, na Sociedade Brasileira de Ciência de Solos e nas Universidades públicas, parabenizamos aos membros do Comitê Estratégico e Executivo e a equipe do Pronasolos e nos orgulhamos de participar deste projeto”, disse ela.
Fonte: Embrapa Solos