Notícias



Lançamento Fertilidade e Biologia do solo Volume 2

As conferências e palestras apresentadas durante a FertBio 2014, realizada em Araxá podem ser consultadas nos dois volumes do livro Fertilidade e biologia do solo – Integração e tecnologia para todos. Os dois volumes estão à venda na loja virtual da sbcs

Confira os tópicos do Volume 2

31a Reunião Brasileira de Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas

Uso eficiente de água e nutrientes em sistemas irrigados

  • Uso eficiente da água na agricultura irrigada.
  • Fertirrigação.
  • Quantidade e parcelamento dos fertilizantes aplicados em fertirrigação em culturas anuais.

Absorção, transporte e compartimentalização de nutrientes pelas plantas

  • Absorção e metabolismo de nitrogênio em plantas.
  • Eficiência de uso de fósforo pelas plantas: a experiência de programa de pesquisa em citros.
  • La relación imprevisible entre un macro y un micronutriente. El caso del Ca/B.

Novas fronteiras para a fertilidade do solo e nutrição de plantas

  • Effects of genotype and environment on the plant ionome.
  • In mature soils plant available K is only the exchangeable-K: can ground silicate minerals increase the K-store?

13O SIMPÓSIO BRASILEIRO DE MICROBIOLOGIA DO SOLO

Manejo da fixação biológica de N2 com uso difundido de inoculantes em leguminosas: por que só na soja?

  • Balanço de nitrogênio na produção de grãos e cana-de-açúcar na agricultura brasileira: impacto da fixação biológica de N
  • Uso de inoculantes na fixação biológica de N2 e na produtividade de feijão-caupi.
  • Perspectivas para inoculação do feijão-fava (Phaseolus lunatus) no Nordeste brasileiro.

Manejo bem-sucedido de outros processos microbianos além da FBN: é possível?

  • Desafios na definição de técnicas adequadas para o manejo do solo: abordagem microbiológica à luz das novas tecnologias de sequenciamento.
  • Estratégias de mitigação do estresse hídrico em plantas por rizobactérias osmotolerantes.
  • Explorando a diversidade e o potencial biotecnológico de PGPB associadas a plantas não leguminosas.

Produtos microbianos disponíveis no mercado: eficácia e controle

Fiscalização de Inoculantes no MAPA: aspectos legais e operacionais.

  • Produtos biológicos na agricultura: estágio atual e tendências.
  • Rizolyptus®: produto biológico à base de rizobactérias promotoras de enraizamento e crescimento de eucalipto e outras arbóreas.

15a Reunião Brasileira sobre Micorrizas

Métodos avançados nos estudos de associações micorrízicas

  • Anastomose em FMA e implicações para a biologia
    dos mesmos.
  • Metodologias utilizadas na pesquisa com micorrizas para conservação de orquídeas.

Aspectos aplicados das associações
micorrízicas

  • Seleção de fungos micorrízicos arbusculares eficientes para promoção do crescimento de plantas.
  • Perspectivas de utilização de fungos micorrízicos de orquídeas.
  • Avaliação de um inoculante de micorriza arbuscular em culturas de soja e algodão.

Diversidade e taxonomia de fungos micorrízicos

  • Uma breve história sobre a ocorrência de espécies de fungos micorrízicos arbusculares (Glomeromycota) no Brasil.
  • A sistemática do Filo Glomeromycota representa uma filogenia compreensível ou um catálogo de nomes?
  • Diversidade de fungos ectomicorrízicos na região sul do Brasil.

10a Reunião Brasileira de Biologia do Solo

Taxonomistas e coleções:  recursos, limitações e medidas necessárias para promover o conhecimento e prospecção de diferentes grupos da biodiversidade

  • O que querem os taxonomistas?
  • Taxonomistas e coleções: suas limitações e ações para promover o conhecimento e prospecção da biodiversidade de nematoides no Brasil.
  • O potencial do DNA barcoding para a identificação e conservação de espécies de minhocas brasileiras.

Manejo da macro e meso fauna para incrementar a produção vegetal e a segurança alimentar: é possível?

  • Reflexão: meso e macro fauna edáfica e uso do solo.
  • As minhocas como aliadas do agricultor.
  • Soil biodiversity and its importance for sustaining soil ecosystem services.

 

 

Pronasolos é lançado no Dia Mundial do Solo

Vinte instituições assinam parceria para mapear solo brasileiro

 Foi lançado dia 5  de dezembro, quando é comemorado o dia Mundial do Solo, o Programa Nacional de Solos do Brasil (Pronasolos), o maior empreendimento técnico-científico brasileiro da área de solos. O protocolo de intenções foi assinado por 20 instituições brasileiras, entre elas, a SBCS, representada no evento pela presidente Fatima Maria Moreira.

Representantes de universidades e instituições ligadas à tecnologia e ciência assinaram na manhã de 5 de dezembro, Dia Mundial do Solo, um protocolo de intenções que oficializa o início do maior trabalho já realizado no Brasil dessa área: o Programa Nacional de Solos do Brasil (Pronasolos). Empreitada com horizonte de 30 anos que envolve 20 parceiros entre universidades, institutos de pesquisa, agências especializadas e empresas de pesquisa científica.

Definido pelo presidente da Embrapa, Maurício Antônio Lopes, como uma das maiores iniciativas do Brasil para proteger seu solo, o Pronasolos está orçado em R$ 740 milhões, nos dez primeiros anos, e envolverá atividades de investigação, documentação, inventário e interpretação de dados de solos brasileiros para gestão desse recurso e sua conservação.

Entre os maiores resultados esperados está a criação de um sistema nacional de informação sobre solos do Brasil e a retomada de um programa nacional de levantamento de solo. “Esses dois pontos a serem atendidos estão listados no acordão redigido pelo Tribunal de Contas da União, em 2015, que deu origem ao programa,” apresentou o coordenador do Pronasolos, o pesquisador José Carlos Polidoro, da Embrapa Solos. “O programa irá obter informações importantes no nível de detalhamento necessário para que o País consiga usar esse recurso natural tão importante”, disse o cientista.

O presidente da Embrapa, Maurício Antonio Lopes, ressaltou a importância do trabalho coletivo para a realização da empreitada. “Não se faz um trabalho dessa magnitude sem uma parceria muito consolidada, por isso envolve atores de extrema importância,” frisou. “Exploramos outros planetas e conhecemos pouco o nosso próprio solo”, disse o presidente da Embrapa após assinar o documento, ressaltando que o solo é um recurso com o qual se deve ter cuidado. “A produção de alimentos cada vez mais sofisticados e a desertificação observada em diversas partes do planeta são exemplos de questões relacionadas a esse valioso recurso”, comentou.

“Estamos celebrando um grande marco nas Ciências do Solo no Brasil,” declarou a presidente da Sociedade Brasileira de Ciência de Solo (SBCS), Fátima Maria de Souza Moreira. “Estamos quase meio século distantes dos levantamentos pioneiros do Radam Brasil, IAC e Embrapa na década de 1970 e que visavam o reconhecimento do território nacional. O Pronasolo fará agora um detalhamento mais acurado com fins de manejo adequado à potência agrícola que o Brasil se tornou.”

Em nome do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Ivone Lopes Batista afirmou que a instituição usará sua expertise em coleta de dados em todo o território nacional para gerar dados de cartografia e recursos naturais para o Pronasolos. “Estamos honrados de participar de uma atividade e um debate tão importante para comunidade científica brasileira.”

O presidente da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Rui da Silva Verneque, disse ser fundamental conhecer esse recurso natural para continuar a contribuir para a produtividade da agricultura brasileira. “Precisamos conhecer o solo e suas transformações. É um trabalho grandioso, de enorme envergadura e fundamental para o Brasil,” pontuou. Verneque discursou em nome das instituições estaduais de pesquisa agropecuária.

A sustentabilidade e as questões ambientais foram lembradas pelo representante do Serviço Geológico do Brasil (CPRM/SGB), Paulo Afonso Romano. “Para cumprir os objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS) estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) será necessário conhecer o solo,” ressaltou, “Não é possível separar gestão da água sem falar de solo”, completou.

“A falta de água que sofremos hoje nas fazendas está bastante relacionada à falta de cuidados que temos com o solo,” afirmou o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Braga Coelho, para ele, além do Programa, o País deve ter uma política e um sistema nacional de informação sobre solo.

“A Universidade Federal de Santa Maria se sente orgulhosa de poder colocar sua longa tradição na área de solos à disposição desse trabalho”, declarou o reitor da universidade, Paulo Afonso Burmann. “É para se comemorar a decisão incisiva do País de resolver essa importante demanda”, acredita.

José Carlos Polidoro, da Embrapa, informou que o Governo Federal, por meio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) prepara um decreto que visa a estabelecer o Pronasolos como programa de Estado.

Participantes do Pronasolos

Agência Espacial Brasileira (AEB)

Diretoria de Serviço Geográfico do Exército (DSG)

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)

Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig)

Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme)

Instituto Agronômico (IAC)

Instituto Agronômico do Paraná (Iapar)

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper)

Serviço Geológico do Brasil (CPRM/SGB)

Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (SBCS)

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Universidade Federal de Goiás (UFG)

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)

Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Estas são as instituições signatárias do protocolo de intenções, outros interessados poderão aderir ao programa.

Reportagem de Fábio Reynol – Secretaria de Comunicação da Embrapa

A presidente da SBCS assinando o protocolo de inteções

 

IV Reunião Nordestina de Ciência do Solo destaca o uso sustentável do solo na segurança alimentar

Conciliar a produção de alimentos junto à preservação ambiental. Esse foi o objetivo da IV Reunião Nordestina de Ciência do Solo promovido em Teresina, Piauí, pelo Núcleo Regional Nordeste entre os dias 27 e 30 de novembro, em parceria com a Embrapa Meio-Norte e a Universidade Estadual do Piauí. O evento contou com a presença de 500 participantes entre pesquisadores, professores e estudantes, além de 550 trabalhos inscritos 21 palestras, cinco conferências, dois seminários, quatro mesas-redondas e minicursos, além da realização do 1º Simpósio de Ciência do Solo.

Participaram da solenidade de abertura o chefe-geral da Embrapa Meio-Norte, Luís Fernando Leite; o coordenador científico do evento, Enrique Antônio; a vice-reitora da UESPI, Bárbara Melo; o pró-reitor de pesquisa do Instituto Federal de Educação do Piauí (IFPI), José Luiz Silva; o diretor do Centro de Ciências Agrária da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Paulo Ramalho; o presidente do Crea-PI, Paulo Oliveira e a presidente da SBCS, Fatima Maria Moreira.

A presidente da SBCS destacou o protagonismo da Sociedade no fortalecimento da pesquisa em ciência do solo e na proposição de redes regionais. Para o diretor do Núcleo Regional Nordeste da SBCS, Júlio César Nóbrega, a temática é muito importante para o Piauí. “Se consideramos o fato que hoje o estado é uma fronteira agrícola, conciliar a produção de alimentos junto à preservação ambiental é a nossa preocupação. Queremos que a região cresça em termos de produção, mas sem desconsiderar as questões ambientais, um não vive sem o outro”.

O evento contou com o apoio do Governo do Piauí, CNPq, CAPES, Aprosoja, Terra Brasileira, Banco do Nordeste e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí ( FAPEPI).

Prêmio Nordeste de Ciência do Solo

Pela primeira vez, o Núcleo Regional Nordeste da SBCS concedeu o Prêmio Nordeste de Ciência do Solo que será conferido a cada edição do evento para reconhecer o trabalho de pesquisadores que atuam para o desenvolvimento da Ciência do Solo na região Nordeste.  O agraciado foi Luiz Bezerra de Oliveira.

Para as pessoas que o conhecem, o homenageado é considerado a memória viva da SBCS. Seu nome consta na história oficial da SBCS desde 1965, quando ingressou na diretoria como conselheiro. Antes disso, já participava dos eventos e era um entusiasta da ideia de reunir pessoas interessadas na Ciência do Solo no Brasil. Luiz Bezerra é natural de Pernambuco, formado em Química Industrial em 1946 e especialista em solos em 1955 pela UFRRJ. Ao longo de sua carreira, atuou no DNCS – Departamento Nacional de Obras contra as Secas, na Seção de Solos do Instituto Augusto Trindade de Souza no IPEANE – Instituto de Pesquisas e Experimentação Agropecuárias do Nordeste e na Embrapa, onde permaneceu até se aposentar em 1994. Atuou também como professor convidado na UFRPE e UFSM. Destacou-se por suas pesquisas em solos do Nordeste brasileiro com ênfase em Física do Solo. Entre os trabalhos desenvolvidos, destacam-se a publicação de mais de 60 trabalhos científicos; a coordenação da equipe que publicou o Manual de Métodos de Análise de Solo e o livro “Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, um olhar sobre sua história”.

Fonte: Embrapa Meio-Norte

A IV Reunião Nordestina de Ciência do Solo promovido em Teresina, Piauí, pelo Núcleo Regional Nordeste da SBCS

Antonio Rodrigues Fernandes será diretor do Núcleo Amazônia Oriental da SBCS

O professor Antonio Rodrigues Fernandes, que presidiu o XXXVI Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, realizado este ano, em Belém do Pará foi eleito Diretor do Núcleo Amazônia Oriental da SBCS. O mandato da nova diretoria será até 2019.
Conheça a nova diretoria

Diretor: Antonio Rodrigues Fernandes – UFRA Belém
Primeiro Vice-diretor: Antonio Clementino dos Santos – UFT Araguaína
Segundo Vice-diretor: Khalil de Menezes Rodrigues – UFMA Chapadinha
Secretário Geral: Régia Maria Reis Gualter – IFMA Caxias
Tesoureiro: Vania Silva de Melo – UFRA Belém

Abertas inscrições para a RCC 2018, em Rondônia

A SBCS realizou, entre os dias 9 e 16 de setembro, em Rondônia, a XII Reunião de Classificação e Correlação de Solos (RCC). O evento foi organizado pelo Núcleo Regional Noroeste da SBCS e organizado pela Embrapa Rondônia, Embrapa Solos, Universidade Federal de Rondônia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o Serviço Geológico do Brasil, com suporte do Instituto Federal de Educação (IFRO). A coordenação geral foi do pesquisador Paulo Guilherme Wadt (Embrapa Rondônia) com apoio de José Francisco Lumbreras (Embrapa Solos), Lúcia Helena Cunha dos Anjos (UFRRJ) e Francisco de Assis Correa Silva (Embrapa Rondônia)

A XII RCC foi dividida em duas excursões para permitir maior número de participantes e dar oportunidade para que interessados de várias instituições de possam conhecer melhor a realidade do ambiente de produção agrícola e os solos de Rondônia.

Esta primeira viagem contou com um total de 84 participantes. Destes, 74 são sócios da SBCS. Entre os participantes, 78 se inscreveram como profissionais e seis como estudantes.

Na primeira excursão, foram visitados um perfil de solo no município de Canutama, no Estado do Amazonas, e 13 perfis em Rondônia, distribuídos entre os municípios de Porto Velho, Ariquemes, Machadinho do Oeste, Ouro Preto do Oeste, Rolim de Moura, Alta Floresta do Oeste, Pimenta Bueno, Colorado do Oeste, Pimenteiras do Oeste e Vilhena.

Segundo os coordenadores, os participantes da RCC tiveram a oportunidade de conhecer novos ambientes e avaliar solos pouco estudados na Amazônia como um perfil com alto teor de matéria orgânica, mas sem a expressão de cargas trocáveis (CTC nula), um Latossolo caulinítico com caráter ácrico e outro em que se discutiu o caráter sômbrico; além de perfil com horizonte antrópico (Terra Preta de Índio) ainda pouco estudado no estado de Rondônia.

Os organizadores deram aos participantes um Guia de Campo com informações sobre a caracterização dos solos a serem visitados, além da história, geodiversidade e cobertura florestal de Rondônia. Também foram disponibilizados capítulos adicionais sobre as pesquisas realizadas com esses solos (pesquisas Coligadas), para suporte a discussão durante o evento.

A segunda excursão ocorrerá de 1 a 8 de agosto de 2018 e a pré-inscrição poderá ser feita diretamente no site do evento: http://sbcs-noroeste.agr.br/rcc/xiircc/inscricoes.html.

As vagas são limitadas e as inscrições já estão sendo confirmadas.

A RCC 2017 foi realizada em setembro e será promovida novamente em 2018

Núcleo Regional Leste tem nova diretoria

O pesquisador Andre Guarconi Martins foi eleito o novo diretor do Núcleo Regional Leste  da SBCS (NRL/SBCS) para o mandato 2017/2019. Ele é pesquisador do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper)

Conheça a nova diretoria do Núcleo Regional Leste para o mandato 2017 /2019:

Diretor: André Guarçoni Martins (ES)

1º Vice-Diretor: Felipe Vaz Andrade (ES)

2º Vice-Diretor: Renato Ribeiro Passos (ES)

Secretário Geral: Marcos Gervasio Pereira (RJ)

Tesoureira: Maria Catarina Megumi Kasuya (MG)

 

Núcleo Regional Centro-Oeste tem nova diretoria

O pesquisador Robélio Leandro Marchão, da Embrapa Cerrados de Planaltina-DF é o novo diretor do Núcleo Regional Centro-Oeste da SBCS (NRCO/SBCS)

A eleição aconteceu nos dias 27 e 28 de setembro e só houve uma chapa inscrita que obteve 100% dos votos.

A SBCS parabeniza a nova diretoria e agradece a diretoria anterior e aos sócios votantes pelo fortalecimento das ações em ciência do solo no Centro-Oeste do Brasil

Confira a nova diretoria do NRCO para o mandato 2017/2019:

Diretor: Robélio Leandro Marchão (Embrapa Cerrados, Planaltina – DF)

1º Vice-diretor: Cid Naudi Silva Campos  (UFMS, Chapadão do Sul – MS)

2º Vice-diretor:  Dácio Olibone (IFMT, Sorriso – MT)

Secretário: Cícero Célio de Figueiredo (UnB, Brasília – DF)

Tesoureiro: Rilner Alves Flores (UFG, Goiânia – GO)